sábado, 23 de janeiro de 2010

Nómada - Crítica

Nome: Nómada
Autora: Stephenie Meyer
Editora: Gailivro
Tradução: Maria da Fé Peres
Páginas: 836

Sinopse: "Melanie Stryder recusa-se a desaparecer. O nosso mundo foi invadido por um inimigo invisível. Os Humanos estão a ser transformados em hospedeiros destes invasores, com as suas mentes expurgadas, enquanto o corpo permanece igual e a vida prossegue sem qualquer mudança aparente. A maior parte da Humanidade não consegue resistir.
Quando Melanie, um dos poucos Humanos "indomáveis", é capturada, ela tem a certeza de que chegou o fim. Nómada, a Alma invasora a quem o corpo de Melanie é entregue, foi avisada sobre o desafio de viver no interior de um humano: emoções avassaladoras, excesso de sentidos, recordações demasiado presentes. Mas existe uma dificuldade com que Nómada não conta: o anterior dono do corpo combate a posse da sua mente.
Nómada esquadrinha os pensamentos de Melanie, na esperança de descobrir o paradeiro da resistência humana. Melanie inunda-lhe a mente com visões do homem por quem está apaixonada - Jared, um sobrevivente humano que vive na clandestinidade. Incapaz de se libertar dos desejos do seu corpo, Nómada começa a sentir-se atraída pelo homem que tem por missão delatar. No momento em que um inimigo comum transforma Nómada e Melanie em aliadas involuntárias, as duas lançam-se numa busca perigosa e desconhecida do homem que amam."

Devo dizer que Stephenie Meyer tem uma capacidade enorme em criar amores impossíveis e cheios de complicações que nós jamais imaginámos na nossa cabeça e que, milagrosamente, até acabam por sobreviver. Isso viu-se na saga Luz e Escuridão, na paixão arrebatadora e obsessiva de Bella e Edward. Neste livro - nesta nova história - a paixão a que assistimos é muito mais suave e inocente.

Stephenie Meyer melhorou, a olhos vistos, a sua escrita. E a sua imaginação também. Tenho a dizer que este livro está muito bem imaginado, cheio de pormenores que parecem impossíveis de serem imaginados, mas que, na realidade, estão lá.

Ao príncipio fiquei bastante confusa com o livro, pois este não explicava como deve de ser o mundo em que o planeta Terra se tinha tornado. Mas essa confusão foi-se dissipando ao longo do livro, com descrições arrebatadoras de outros mundos em que Nómada, a Alma mais viajada da sua espécie, já passou.

Este livro retrata vários tipos de amores, entre cinco pessoas diferentes que estão fatalmente interligadas umas com as outras. Existiram imensos momentos em que me encontrei à beira das lágrimas e outros em que temi por Nómada, que tinha a sua vida constantemente em perigo devido aos Humanos que tinham aprendido a odiar a sua espécie - e com razão. No entanto, esta história fala de como duas espécies completamente diferentes - e com objectivos distintos - até se podem dar bem e ajudar uns aos outros. Os Humanos acabam por descobrir a sua essência e Nómada percebe que nem todos são mentirosos, nem todos são uns monstros. Aliás, o seu futuro companheiro é, segundo as suas palavras «uma alma imprópria de um humano», devido a tanta bondade e amor.

Esta é a história de duas raparigas de espécies distintas que, no início, pretendem aniquilar-se uma à outra mas que, no fim, acabam por se amar como irmãs. É, sem dúvida, algo que eu vou voltar a ler mais tarde.

Personagens favoritas: Nómada (pela sua inocência e caracterizante bondade da sua espécie), Melanie (pela sua rebeldia e persistência, coragem e controlo), Jed (pela sua loucura e ajuda que deu), Jamie (pela sua doçura e capacidade de amar), Ian (pela sua transformação e amor), Doc (pela sua dedicação), Luzinha (por ser a coisa mais querida de todas).

Nota: 10/10 - Perfeito


Sara

8 comentários:

Morrighan disse...

Foi um livro que adorei, sem dúvida alguma. Li-o ainda só tinha lido o Crepúsculo e fiquei fascinada. Subi muito a fasquia quanto aos próximos livros da saga Luz e Escuridão que nem de todo se acabaram por comparar a este livrito.

Acho que tem muito mais Conteúdo em si do que a Saga. É um livro diferente, que toca em aspectos também diferentes mas que é arrebatador à sua maneira.

Entre a Saga e o Nómada, quase que nem parecem da mesma escritora.

Continuação de boas leituras **

Bonnie disse...

Este livro é espectacular! Nem parece que é da Stephenie Meyer. Eu adorei lê-lo. chorei no fim... e chorei por ter terminado, eu queria mais!

**

5 estrelas!

PallasAthena disse...

Concordo plenamente contigo. Adorei este livro. E sem dúvida que terei de o ler novamente.

Bjs e boas leituras.

Tatiana disse...

eu também gostei imenso da estória da Nómada e o final foi muito giro (gostava que houvesse uma continuação mas penso que se tornaria desnecessária) adorei o Doc! e a Melanie heim :P muito determinada... fiquei assustada quando ela se "perdeu" enfim, eu gosteida saga Luz e Escuridão embora não tenha gostado do seu final e de algumas coisitas mas acho que apreciei mais os 3 dias que dediquei a este livro do que por exemplo a leitura dos dois últimos livros da saga (para mim o La Nova é o melhor da saga mas o nómada, apesar de uma estória inicialmente cliché, tornou-se um livro que gostei muito de ler - não é à toa que o lerei novamente para uma leitura conjunta!)
penso que a S. M. escreveu um pouquinho de palha... no início andei um pouco desmotivada pois havia muitas páginas e pouco produto mas depois começou a acelarar e pronto, foi uma leitura rapidita :P
cumps,
Tati

Fernando disse...

Boas, sou visitante aqui do blog à relativamente pouco tempo mas já virei fã assíduo. Criei o meu próprio blog à umas semanas e acho que devia avisar os autores aqui do Lydo e Opinado que o seu blog foi adicionado à minha lista de "Outros Livros", juntamente com outros blogs e sites ligados à literatura que visito regularmente.

Abraço, Fernando

www.otravessao.blogspot.com

Ritaa disse...

Concordo plenamente com tudo o que disseste, Sarinha. (:
Eu amei completamente este livro, é um dos meus favoritos. E nota-se, realmente, uma extrema evolução por parte da Stephenie, tanto a nível da escrita como a nível da sua imaginação.
Esta senhora tem uma capacidade para inventar histórias tremendamente arrebatadoras que é uma coisa inexplicável. Consegue prender o leitor do primeiro ao último momento, sem nunca deixar de lado o mistério. E temos que admitir que o final que ela dá às suas histórias nunca é o que pensamos quando já estamos quase a acabar o livro.
Btw, adorei a crítica. (:

Káth disse...

ola!
bem cm ja t dx ainda nao peguei no livro a minha prima tb m dx q o inicio era um pouco confuso...
eu qd poder (la po verao xD vou tentar antes) vou le-lo...
gstei mt de ler o q escreveste e s tu gstst tou certa d q tb gstarei

Jinho

t i a g o disse...

Primeiro que tudo, deixa-me dizer que achei a tua crítica interessante. Depois, que fiquei surpreendido com a tua nota 10/10 - Perfeito. Parece que começaste o ano em grande! E até possa ser como dizes, que este livro seja mesmo genial - mas enquanto a Meyer não passar de moda eu aguardarei. :P E o livro é gigante, pá.

Mas gostei da crítica :)

Blog Widget by LinkWithin