terça-feira, 9 de março de 2010

[Crónica] A Literatura Lusófona - Sara

[Fotografia por Danilo Rolim]

Confesso que foi apenas há pouco tempo que li Os Maias, um dos únicos livros portugueses que li até hoje. Os outros poucos que li foram apenas a sequela de O Diário de Sofia que, na minha opinião, não tem um impacto assim tão grande na literatura portuguesa - apesar de ter tido uma série de televisão, coisa que Os Maias só tiveram no Brasil.

Confesso também que a minha curiosidade pela literatura lusófona só começou a crescer há muito pouco tempo, logo depois de ficar apaixonada pel' Os Maias. Também ajudou o facto de, de repente, terem-me dado a conhecer vários autores portugueses que, para ser sincera, eu nem sequer conhecia.

Os livros estrangeiros sempre tiveram mais impacto na minha vida. Considero-me ignorante em relação a autores como Frederico Duarte, José Rodrigues dos Santos ou Inês Botelho e, devido a essa ignorância, as entrevistas que nós fizemos a estes autores foram tanto ou mais entusiasmantes e misteriosas para mim do que foram para vocês. Pretendo ler brevemente livros destes autores e muitos mais. E, apesar da minha pequena experiência em livros lusófonos, não considero a sua qualidade inferior aos livros estrangeiros.

Sara

5 comentários:

p a t r í c i a * disse...

Eu também leio mais livros estrangeiros, no geral, no entanto também gosto e também quero conhecer vários autores portugueses.
Ainda não li clássicos da literatura lusófona, mas tenho a certeza que vou ler, e espero que não me desiludam. Quanto a não-clássicos, com certeza que também têm valor. Muito valor!
Não se deve ir na linha de que "os livros estrangeiros é que são bons", e nem no aspecto exterior. Afinal, a obra está lá dentro, não é? E tenho a certeza de que os livros portugueses são tão bons como os estrangeiros.

Ana C. Nunes disse...

Já li alguns livros portugueses, clássicos ou não, de autores mais ou menos conhecidos, mas confesso que quero ler muito mais.
Não acho, nem concordo com que diga que os autores portugueses têm menos talento que os outros.
Há de tudo, como em todo o lado, e é apenas uma questão de ter sorte ou azar quando se escolhe o que ler. Já tive dos dois exemplos, tanto com portugueses como com estrangeiros, por isso concordo quando dizes que, sim, os portugueses são tão bons ou melhor escritores que os outros.

Já agora, a ideia de entrevistar escritores portugueses foi excelente e fico na expectativa de ver os restantes.

tonsdeazul disse...

Espero então que essa vontade em ler autores lusófonos continue. :)
Os meus preferidos são mesmo Eça de Queirós, José Saramago e José Luís Peixoto. No campo poético não dispenso Fernando Pessoa (e os seus heterónimos) e muito recentemente João Negreiros.
Os que também gosto de frequentar são Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Jorge Amado, Agustina Bessa-Luís e José Rodrigues dos Santos.
Os que descobri recentemente e me surpreenderam são Valter Hugo Mãe, Mia Couto, Luis Rosa, Chico Buarque e Afonso Cruz.
E é melhor ficar por aqui... Desculpa o meu entusiasmo, mas temos excelentes autores é só uma questão de quereres descobri-los! :) Boas leituras!

Sássára disse...

/tonsdeazul, muito obrigada pelas sugestões :D

artemisa289 disse...

A nossa literatura está ao nível das melhores.Também espero que a vontade continue. Os meus preferidos são: júlio dinis, eça de queirós, camilo de castelo branco, josé de alencar, machado de assis, miguel sousa tavares, vergílo ferreira.

Blog Widget by LinkWithin