quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

A Filha da Profecia - Crítica

E, doze dias depois de ter começado a ler, terminei há três horas a leitura d' A Filha da Profecia, o volume que encerra a magnífica e respeitável trilogia Sevenwaters, de Juliet Marillier!

Tinha lido muitas críticas acerca da trilogia. Existem pessoas que dizem que o primeiro, A Filha da Floresta, é o melhor. Existem aqueles que acham que o segundo, O Filho das Sombras, é que foi o mais marcante. E também há quem diga, embora muito menos gente do que para os outros dois, que o terceiro volume, A Filha da Profecia, é o mais bonito e bem feito da saga.

Pessoalmente, este último foi o meu preferido. Temos uma protagonista mais real, que comete mais erros e que se culpa pelo que faz. Que tem altos e baixos... que cai, se lavanta, e volta a ter recaídas... e temos uma história que nos parece ser um beco sem saída até ao fim... que não é nem feliz nem triste... mas que é magnífico.

A Filha da Profecia é a conclusão para uma das minhas sagas preferidas, e, na minha opinião, é um final em grande, intenso, marcante... poderia também dizer original. É fácil de ler, apesar do elevado número de páginas e letras pequenas, o que se pode confirmar pelo número de dias que demorei para o devorar (sim, porque voês não fazem mesmo ideia da eternidade que eu demoro a ler um livro: parece que este ano de 2009 me está a correr bem em termos de leituras).

Apenas uma nota negativa para a tradução portuguesa. Embora boa numas partes, deixa muito a desejar noutras. E, para 9ª edição, os erros ortográficos são demasiados. Os meus parabéns a Juliet Marillier, pelo vocabulário, pela forma como contrói os romances entre as personagens e pela mística que faz passar com a trilogia. E ouvi dizer que para o fim do ano vai sair em Portugal a sequela da trilogia... Heir to Sevenwaters (Regresso a Sevenwaters). Lê-lo-ei, isso sem qualquer dúvida!

Páginas: 477

Personagem Preferida: Fainne (pela realidade com que é construída), Lady Oonagh (porque a sua malvadez é espetacular) e Darragh (porque o par Fainne-Darragh, é, na minha opinião, o mais querido da saga).

Nota (0/10) - 9 (Excelente)

Tiago

E agora vou partir para George Martin, o melhor escritor de fantasia da actualidade. Venha "A Fúria dos Reis"! :D

5 comentários:

Kath disse...

Este é o meu preferido, empatado com o primeiro. ^^ O segundo costuma ser aquele do qual mais gente gosta, mas é aquele de que gosto menos. E é verdade isso tudo que disseste. x)

Mariposa disse...

Gostei da tua crítica. "A Filha da Profecia" foi o meu primeiro contacto com a Juliet Marillier e talvez por isso o livro mais especial para mim. Aconselho-te a espreitares o meu fórum, para leres a canção que Fainne canta a Darragh e que a Bertrand decidiu cortar na tradução... ;)

t i a g o . disse...

Mariposa, já tinha visto a canção e fiquei bastante zangado com a editora por a ter cortado... :/

Obrigado pela crítica, às duas.

Pedro disse...

Eu simplesmente adorei esta trilogia!!!

São todos bons para mim. Adorei adorei. Marcou-me profundamente.

Quanto a GRRM, se não fosse "A Fúria dos Reis" ter-me desiludido... =/ Muito lento na minha opinião =P

Jacqueline' disse...

Tiago, não poderia acrescentar mais ao que disseste. Apesar de este não ter sido o meu preferido, não fica muito atrás. Esta é, sem qualquer sombra de dúvida, uma trilogia magnífica.

Blog Widget by LinkWithin