terça-feira, 18 de maio de 2010

Marcada - Crítica

(Fotografia da minha autoria)
Nome: Marcada
Autoras: P. C. Cast & Kristin Cast
Editora: Saída de Emergência
Tradução: Susana Serrão
Páginas: 302
Sinopse: "Zoey Redbird tem 16 anos e vive num mundo igual ao nosso, com uma única diferença: os vampyros não só existem como são tolerados. Os humanos que os vampyros «marcam» como especiais entram na Casa da Noite, uma escola onde se vão transformar em vampyros ou, se o corpo o rejeitar, morrer.
Para Zoey, apesar do medo inicial, ser marcada é uma verdadeira bênção. Ela nunca encaixou no mundo normal e sempre sentiu que estava destinada a algo mais. Mas mesmo na nova escola a jovem sente-se diferente dos outros, pois a marca que a Deusa Nyx lhe fez é especial, mostrando que os seus poderes são muito fortes para alguém tão jovem.
Na Casa da Noite, Zoey acaba por encontrar amizade e amor, mas também mentira e inveja. Afinal, nem tudo está bem no mundo dos vampyros e os problemas que pensava ter deixado para trás não se comparam aos desafios que tem pela frente."


A primeira coisa a criticar em relação a este livro é o tipo de escrita. Logo no início, nos agradecimentos, consegue-se perceber que mãe e filha escreveram este livro em conjunto, mas não da melhor em forma, na minha opinião. A mãe deu vida à história e a filha acabou por a tentar tornar mais «adolescente». O problema aqui é ficou demasiado adolescente. Encontram-se expressões engraçadas - isso é verdade. Mas existem outras que parecem estar um bocado fora de contexto e uns parêntises que eu nunca cheguei a perceber muito bem. Como, por exemplo, "Epa, lá estou eu a ter pensamentos arrapazados outra vez (eheheh)." Gostava de saber se sou a única que acha aquele "eheheh" um bocado fora de contexto. E, para além disso, não fica bem e dá um ar imaturo ao livro. Talvez seja essa a ideia delas mas, na minha opinião, isso só veio a prejudicá-las.

De seguida, tenho a dizer que a história em si está engraçada. Realmente, não pode ser comparada ao Crepúsculo, visto que não tem nada a ver. A linha de raciocínio nesta história vai por vertentes diferentes do que o Crepúsculo, sem dúvida alguma. Apesar da boa imaginação e da boa história, achei que esta se passava num período de tempo demasiado curto. Mas talvez seja também esse o objectivo das escritoras. No entanto, para o leitor, acaba por se tornar um bocado inesperado porque, pensamos nós que estamos finalmente a entrar na história a sério, e o livro acaba.

Apesar de tudo isso, este livro deu-me ânimo e entusiasmo para ler. E, mesmo por isso, demorei apenas cinco dias a fazê-lo. E isso só demonstra o quão apelativa e cativante é a história que as autoras criaram.

O fim deixou-me com imensa curiosidade para ler o Traída e fiquei com vontade de o comprar. No entanto, não achei o elenco nada de extraordinário. Mas tenho a esperança de que ainda se venha a tornar, com os restantes livros da saga.

Personagens favoritas: Damien Maslin, Stevie Rae, Zoey Redbird, Erik Night.

Nota: 7/10 - Bom

Sara

1 comentário:

t i a g o disse...

Bem, o 7 que deste sempre ultrapassa um bocadinho o 6 que a Patrícia deu... não duvido que o livro tenha algumas qualidades, como aliás a Saída de Emergência não poderia deixar de detectar para o publicar em Portugal... mas, mesmo assim, é como digo: ando a fugir ao tema, até que os vampiros deixem de saturar as livrarias.

(Só abrirei excepcção para o Fevre Dream!)

Blog Widget by LinkWithin