sábado, 10 de abril de 2010

Crítica - O Nome do Vento

Título: O Nome do Vento
Autor: Patrick Rothfuss
Tradutor: Renato Carreira
Nº de Páginas: 976
Preço Editor: 19,90€

Sinopse: Da infância como membro de uma família unida de nómadas Edema Ruh até à provação dos primeiros dias como aluno de magia numa universidade prestigiada, o humilde estalajadeiro Kvothe relata a história de como um rapaz desfavorecido pelo destino se torna um herói, um bardo, um mago e uma lenda. O primeiro romance de Rothfuss lança uma trilogia relatando não apenas a história da Humanidade, mas também a história de um mundo ameaçado por um mal cuja existência nega de forma desesperada. O autor explora o desenvolvimento de uma personalidade enquanto examina a relação entre a lenda e a sua verdade, a verdade que reside no coração das histórias. Contada de forma elegante e enriquecida com vislumbres de histórias futuras, esta "autobiografia" de um herói rica em detalhes é altamente recomendada para bibliotecas de qualquer tamanho.

Terminei de ler esta magnífica obra e confesso que fiquei extremamente interessada em saber o que Patrick Rothfuss nos poderá trazer num segundo livro. Se continuar com a excelente qualidade que demonstrou em "O Nome do Vento", tenho a certeza que será um sucesso ainda maior e conseguirá alcançará ainda mais pessoas com a sua história épica.

Não consigo escolher uma parte determinante em toda a história pois todos os acontecimentos que envolvem a personagem principal, acabam sempre por se revelar essenciais à sua progressão. Ou regressão, conforme os casos.

Kvothe é extraordinário, é uma personagem construída em alicerces muito fortes, com uma estrutura que acaba por envolver o leitor, que o prende a cada passo que este rapaz vai dando. E Patrick Rothfuss tem uma ideia genial, uma ideia primitiva que vai sendo desenvolvida ao longo do livro: ninguém sabe quem é realmente Kvothe, vamos descobrindo enquanto a história avança. Pelas linhas escritas pela editora, ocorreu-me que o livro começasse de maneira diferente mas uma vez já lido, o resultado acabou por ultrapassar as minhas expectativas e colocá-las num nível muito mais elevado.

Elodin é outra das personagens mais curiosas que encontrei. Tem aquele aspecto louco e simultaneamente lúcido que o faz encaixar-se perfeitamente na estrutura em que está inserido. Se querem saber mais sobre ele, têm mesmo de ler o livro. Acreditem em mim quando digo que neste caso a loucura, não é tão má como parece.

E a última das personagens que refiro não me chamou a atenção nos primeiros instantes mas depois até comecei a gostar dela e penso que num segundo livro poderá dar que falar. Refiro-me a Fela. Muito discreta, simpática, ali sempre um pouco misteriosa... Aposto que a sua importância ainda não foi realmente explorada.

Antes de terminar, quero ainda dar especial atenção aos interlúdios feitos ao longo da obra e a Bast. O objectivo dele foi revelado nas últimas páginas e estou para ver até que ponto o conseguirá atingir. Os interlúdios ajudam a que o leitor volte realmente à realidade, regresse ao presente e deixe um pouco o passado. Simplesmente inesquecível.

Nota atribuída (0 a 10) - 10 (Perfeito)

Personagens favoritas - Já referidas

Patrícia

4 comentários:

Goldalsky disse...

Concordo a 100% com aquilo que disseste e com a classificação que atribuíste à obra.
Achei que a escrita estava magnífica e o enredo simplesmente fantástico.
Quanto ao segundo livro, já tem nome e o autor já mandou para a editora. Pode ser que para o ano consigamos ter nas nossas mãos "The Wise Man's Fear" (cujo título não sei como irá ficar em português).
Boas Leituras =)

Jacqueline' disse...

Este é um dos livros que espero ler no Verão. As críticas que tenho visto têm sido bastante convidativas.

Tatiana disse...

Oh yeah baby!! xD este é sem dúvida o melhor livro de fantasia que já li!!
(a seguir vem o Génesis - GElo que se revelou excelente!! experimentem que é mesmo muito bom!!)
Este Kvothe.... ui que personagem!! só esperoq ue o autor me surpreenda ainda mais neste segundo volume (que vai ser ainda maior que o primeiro (como é que é possível??? :O))
a Fela também é algo carismática!
como já disseram, e também concordo, estou 100% de acordo com a tua opinião ;)

Jojo disse...

Eis um livro e apesar de enorme, nunca fatiga pelo contrário instiga a leitura. Quando acabei pensei:Quero mais! Quero saber o que aconteceu a Kvothe,quem é realmente Bast... Resumindo quero ler o segundo volume.;)
Ainda que bem que gostaste.

Blog Widget by LinkWithin