segunda-feira, 13 de abril de 2009

O Retrato da Biblioteca - Crítica

Imaginem uma história acerca de um mundo paralelo, com as suas próprias mitologias, raças, locais, e guerras... mas escrito de uma forma apaixonante e inacreditavelmente bela. Foi isto que encontrei ao ler este Retrato da Biblioteca, da Carina Monteiro (ou da Leto of the Crows, como é conhecida nos blogs e nos fóruns da internet em que participa). Aviso desde já que, se nunca ouviram falar deste livro, é normal. Simplesmente ainda não foi publicado, mas vamos torcer para que seja!

Liriana, uma rapariga lisboeta normal com 15 anos, recebe a notícia dos pais de que vai passar todo o mês de Agosto na vivenda da madrinha que nunca conheceu, algures numa aldeia que, para ela, se mostra completamente desprovida de interesse. Mas as férias acabam por não ser assim tão aborrecidas, e as emoções que Liriana irá viver serão até demasiadas, principalmente a partir do momento em que é levada para outro mundo, pelo simples facto de entrar na grandiosa biblioteca da madrinha.

Uma das coisas que mais gostei neste livro foi o facto de, no inicio de cada capítulo, existir um poema curto que nos fala acerca de um elemento abordado ao longo do mesmo (por exemplo: "A Morte", "O Passado", "Os Raios de Sol")... e a Leto/Carina é mesmo uma grande poeta! Esta rubrica de poemas, que nos é dada a ler ao longo do livro, deixa-nos com vontade de saltar logo para o próximo capítulo, para lermos o próximo poema!

Confesso que a história não é propriamente original em termos de enredo, abordando certos temas a que estamos habituados a ler em muitos livros do género fantástico: um mundo paralelo, elfos, uma guerra entre o Bem e o Mal... mas reparem que a forma como está escrito (ao longo de 200 páginas A4!) elimina este ponto menos positivo. A leitura assemelha-se a uma história em prosa, contada em linguagem poética.

De sublinhar também a linguagem que ela criou para o mundo que inventou (Imtharien). Melódica e imaginativa.

Descrições envolventes passadas em cenários apaixonantes, personagens sobre as quais nutrimos um grande interesse sobre o seu desenvolver, uma escrita fluída e decididamente linda de se ler... a sério, decorem este nome - Carina Monteiro - porque eu espero sinceramente que daqui a alguns (poucos) anos, também vocês possam ler esta história. Parabéns, Leto!

Páginas: aproximadamente 350 (200 páginas A4).

Personagens Preferidas: Leonardo, (pelo humor sempre presente) Zenyriah (porque a infância sempre me cativou), Alexandrina (pela forma como sempre como confortei quando ela aparecia na história), Vinyriah (pela maldade egocêntrica), e Landar, e Liriana, e...

Nota: 7/10 (assim muito encostadinho a um 8)

Tiago

Podem ler poemas e textos da autora deste Retrato da Biblioteca no blog sempre actualizado dela: www.asameiasdocrepusculo.blogspot.com

5 comentários:

Leto of the Crows disse...

Acho que foste demasiado simpático com a minha história =P

Mas muito agradeço por teres disponibilizado do teu tempo para leres o Retrato, quando tinhas muito melhor para ler ^^

Obrigada!

P.S.: É Zaneryah hehe

Kath disse...

Eu já li, eu já li, nananana.

SkyStorm disse...

E como é que o resto da malta consegue ler? Hum, hum?

p a t r í c i a * disse...

Lindo, lindo lindo, lindo.
Isto não é um livro, é uma obra de arte. Gostei imenso. Já li duas vezes. Confesso que me apetece ler outra vez.
Viva o Lala, a Alexis, a Liriana e o Leo! (E a Leto!)
A sério. é mesmo bastante bom. Sublinho tuudo o que disseste! Porque adorei! Dava 8 encostado a 9 xD
Ah, sim, e viva Imtharien e o Cleriamn (ainda não sie como se lê isto...)


PS: Não se decora Carina Monteiro, decora-se Carina Portugal... nem sei como ela não se queixou... xD

Leto of the Crows disse...

Sipi, pus esta crítica na página do Retrato :P

(E novamente obrigada)

Blog Widget by LinkWithin