segunda-feira, 28 de julho de 2008

A Guerra dos Tronos - Crítica

[Este post está livre de spoilers (revelações do enredo)]

E pronto, ontem acabei de ler a Guerra dos Tronos, o primeiro volume da saga Crónicas de Gelo e Fogo, de George R.R. Martin. Apesar do tamanho da obra, 360 páginas, demorei apenas uma semana, algo raro para mim; mas penso que se deve ao factor viciante deste livro!

Sendo que este livro, editado pela Saída de Emergência, corresponde a apenas metade do primeiro volume na versão original, posso apenas dizer, por enquanto, que até ao momento, o livro que vou comentar não vale por uma história. Vale por metade dela.

Mas vale bem, muito bem! As personagens são das melhores que já vi, com muito poucos estereótipos reflectidos! E, mesmo os que existem, são tratados com tal cuidado que inspiram ao leitor uma afeição inimaginável!

Uma característica interessante que já tinha provado ao ler os Pilares da Terra, de Ken Follet, é a de que cada capítulo seja narrado do ponto de vista de uma personagem diferente. Isto enriquece muito a história, apesar de para algumas pessoas poder parecer um pouco confuso inicialmente.
E, confesso, a história e bastante confusa inicialmente: muitos nomes e características em muito poucas páginas, que são o suficiente para pôr a cabeça a trabalhar. Em cerca de dois ou três capítulos, é apresentado um leque de personagens tão vasto que me cheguei a perder… mas fui recompensado mais à frente, quando as ideias começaram a assentar e quando comecei a descobrir as teias de poder que estavam estabelecidas entre as personagens.

George R.R. Martin não aparenta ter qualquer piedade pelas suas personagens. Quando estas são deparadas com sarilhos, muito provavelmente ou morrem ou saem prejudicados! Não existem bons nem maus, mas sim sete grandes famílias, cada qual com os seus ideais.

E outro facto é que prende a respiração do inicio ao fim. Com descrições moderadas, com diálogos naturais, e com personagens complexas e, diria, quase reais, é assim que é apresentado o primeiro volume de uma saga que já considero brilhante! Catalogada como Fantasia, eu consideraria mais Romance Histórico, pois, à parte de uma ou outra referência a dragões há muito extintos, e da criação de um Universo Imaginário, tudo se desenrola num ambiente medieval típico da Europa do século XIII.

Mas, como digo, não nos precipitemos. Por ser uma história integrante numa saga, repito, não vale por si, mas sim por parte da saga!

Personagens Preferidas: Jon Snow (pelo rapaz carismático que aparenta ser), Sansa (por ser aparentemente uma personagem estereotipada, mas carregada de sentimento), Daenerys (por ser uma rapariga com tanta coragem e determinação) e Mindinho (pela originalidade com que foi construída; nunca se sabe quem apoia!).

Nota (1/10): 9 (Excelente)

Tiago.

4 comentários:

Patrícia disse...

Eu tenciono ler, mas ainda tenho uma longa fila pela frente. Pelo que escreveste vejo que é um escritor diferente, com livros interessantes. Bem, obrigado pelo conselho.

Kath disse...

Só 18?! Que vergonha! O fofinho do Martin merecia mais. Ele tem as personagens mais realistas que eu já li, e são todas elas, não apenas uma ou duas. O meu sonho é construir personagens como as dele. x)

Tiago. disse...

Kath, dei 18, porque já ouvi dizer que os próximos livros dele vão levar, certamente um 20... e como não posso dar mais que isso... :P

Ou posso? XD

;)

FRANCISCO NOREGA disse...

Também já li e concordo com tudo o que disseste, com uma pequena alteração: na frase Com descrições moderadas, com diálogos naturais, e com personagens complexas e, diria, quase reais (...) tirava o quase =P
Ah, e nas personagens preferidas substituia a Sansa (não gostei dela, apesar de estar bem construida :p) pela Arya e a Daenerys pelo Tyrion ;)
Pena é que a kath me tenha contado o final do segundo livro --'

PS: Parei a leitura da saga para ler uns contos de uma antologia de fc (em inglês).

Blog Widget by LinkWithin