quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Crítica - A Queda dos Gigantes


Título: A Queda dos Gigantes
Autor: Ken Follett
Tradutora: Alice Rocha
Editora: Editorial Presença
Nº de Páginas: 918
Preço Editor: 29,95€

Sinopse: Em A Queda dos Gigantes, o primeiro volume da trilogia "O Século", as vidas de 5 famílias - americana, alemã, russa, inglesa e escocesa - cruzam-se durante o período tumultuoso da Primeira Grande Guerra, da Revolução Russa e do Movimento Sufragista. Neste primeiro volume, que começa em 1911 e termina em 1925, travamos conhecimento com as cinco famílias que nas suas sucessivas gerações virão a ser as grandes protagonistas desta trilogia. Os membros destas famílias não esgotam porém a vasta galeria de personagens, incluindo mesmo figuras reais como Winston Churchill, Lenine e Trotsky, o general Joffreou ou Artur Zimmermann, e irão entretecer uma complexidade de relações entre paixões contrariadas, rivalidades e intrigas, jogos de poder, traições, no agitado quadro da Primeira Grande Guerra, da Revolução Russa e do movimento sufragista feminino. Um extraordinário fresco, excepcional no rigor da investigação e brilhante na reconstrução dos tempos e das mentalidades da época.


Vou começar com uma breve referência à ironia que o título deste livro contém para mim: «A Queda dos Gigantes». Eu não sou um leitor típico de livros gigantes, por mim caíam todos. Mas a verdade é que quando os termino não deixo de gostar deles. O processo de leitura é que não se adequa ao meu, que muitas vezes perco o ânimo ao empreender desafios demasiado longos. Ler um livro de 900 páginas não é igual a ler um livro de 1100 (como aconteceu o Verão passado com 'Os Miseráveis' de Victor Hugo); mas, sejamos sinceros... vai dar quase ao mesmo. Felizmente consegui obrigar-me a terminar a leitura, e digo felizmente porque, quando se termina uma obra desta dimensão, nos sentimos bem connosco próprios. Nem o livro merecia que eu não o lesse até ao fim, nem eu merecia deixar de o terminar já o tendo lido em três quartos. Adiante.

As expectativas com que parti para a leitura deste volumoso romance histórico eram altas. Do mesmo autor já tinha lido há alguns anos 'Os Pilares da Terra', e a fasquia tinha subido a um patamar literário impressionante. Para somar a isto tinha acabado de rever toda a matéria do 12º ano de História A para o dito exame, e estava entusiasmado com o século XX. A sinopse do livro deixou-me inevitavelmente entusiasmado e, levado por uma vontade que tinha vindo a adiar há já alguns meses, decidi lê-lo.

As primeiras duzentas páginas são deliciosas. Todas as vivências do quotidiano na primeira década do século XX, os ambientes de tensões sociais, e as intrigas que nos introduzem às vidas do vasto leque de personagens que passamos a conhecer. Embora estivesse a corresponder à ideia épica que idealizara acerca da obra, ler cada página era uma experiência agradável e descontraída. Mas o livro não se aguenta por 900 páginas neste nível. Claro que o começo da Guerra vem pôr de parte tudo o que de "agradável" houvesse na leitura; mas esperava que o meu entusiasmo não decrescesse, e isso acabou por, eventualmente, ir-se sucedendo...

Estamos perante uma investigação árdua por parte do autor e dos historiadores que o ajudaram, e que nos dá um autêntico painel de azulejos sobre as vivências e as ideias vivivas na altura retratada. Esta apresentação da realidade não nos é apresentada de forma maçuda. Mas, se calhar é só comigo, 900 páginas não funcionam. A guerra foi longa e dolorosa; não quer dizer que a leitura também tenha de ser assim. Além disso, encontro uma certa previsibilidade no rumo dos acontecimentos (e não me refiro, claro, aos acontecimentos históricos, que esses todos sabemos qual é o seu desfecho antes de começarmos a ler o livro), nas redes sociais que são criadas entre as personagens há qualquer coisa de óbvio. Cativante, mas diria previsível.

Foram poucas as personagens que me prenderam. Mas prenderam-me de uma forma original. Em dados momentos da história esta e aquela eram as minhas preferidas, mas mais adiante dava por mim a não gostar delas. na medida em que do princípio ao fim da obra existe um período temporal de 10 anos, acho que isto também faz sentido.

Uma leitura para corajosos, que tenham algum gosto ou curiosidade pelo tema da História do século XX. Com momentos de grande deleite, outros de alguma espera retardada pelo rumo dos acontecimentos. Alegria e dor juntos na mesma página. E uma visão quase cinematográfica imprimida nas páginas, isto é, conseguimos facilmente imaginar as imagens que nos são passadas. Fica a vontade de ler a sequela que sairá em 2012, mais pela curiosidade de ver as personagens a lidarem com os conturbados anos da Segunda Guerra Mundial do que por outras coisas. Leitura agradável, com grande pesquisa implícita, interessante - mas demasiado grande para mim.

Personagens Preferidas: Ethel, Maud, Fitz, Billie.

Nota (0/10): 7 - Bom

Tiago

8 comentários:

Jacqueline' disse...

Só tenho cabeça para ler livros deste tamanho nas férias, mas ainda assim a sinopse parece-me muito interessante. Tenho pena é que não tenham sido muitas as personagens que te prenderam, esse costuma ser para mim um aspeto essencial para me motivar na leitura de livros grandes.

Por falar em História A, foste colocado em que?

t i a g o disse...

Fui colocado em Ciências da Cultura na Faculdade de Letras de Lisboa. Também te candidataste este ano?

Anónimo disse...

eu simplesmente estou a adorar e a aprender muito...
boa ken follet!!!

addle disse...

Tenho de admitir que nunca li nada de Ken Follett, e, vegonhosamente, só conheci o autor devido à série Pilares da Terra que passou no AXN. No entanto, quando fui à Bertrand ver se encontrava alguma coisa dele, vi imediatamente este livro, talvez por ser um "gigante". Admito que gosto de livros grandes, que sei que me vão ocupar durante algum tempo, mas este estava exagerado. Não o trouxe para casa, com medo de ter dado 20 e tal euros para nada, mas quando li o que escreves-te sobre ser um livro para pessoas apaixonadas pelo século XX, percebi que tinha de o ler. As duas grandes guerras são a minha parte preferida da história, portanto acho que vou dar a este livro uma chance.

João Batista disse...

Belo comentário. Eu gostei do livro por completo e acho que é fascinante. É grande sem dúvida mas muito bom. Já agora muitos parabéns pelo blog e acho que me vou aconselhar mais vezes por aqui. Um grande abraço e boas leituras.

D&S Winchester disse...

Amei a capa queria que a capa do meu fosse assim. belo comentário, eu ainda estou na metade do livro pelo fato dele ser enorme mais, estou adorando ele.

Anónimo disse...

Eu adorei o livro. Ia dormir as três da manha, nao conseguia parar. Fascinante, com personagens inesquecíveis! Li em cinco dias.

Gabriela Carolina Mauruto disse...

Sem dúvida um dos melhores livros históricos que já li. Diferente, eu fui cativada por boa parte dos personagens justamente por essa mudança de, uma hora gostar do personagem e logo dali algumas páginas não gostar mais. Vejo como a eficácia do autor em conseguir mostra-los profundamente, com suas mudanças drásticas durante a guerra. :)

Blog Widget by LinkWithin