quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Análise de Leituras 2011 (Tiago)


Eis os dez livros que mais me marcaram neste ano de 2011, que acabou há aproximadamente três semanas. Entre um total de 25 livros lidos. Estou a excluir um par deles que me abstive de comentar, porque não se enquadrarem neste contexto. Começo, então, por falar um pouco acerca de cada um destes dez, que decidi destacar dos restantes.
  • 10º: O Senhor Brecht - Gonçalo M. Tavares. As histórias que povoam o imaginário deste livro do bairro são viciantes e entram na cabeça de uma maneira espantosa. Esta arte de se escrever micro-narrativas que raramente ultrapassam uma página não é para qualquer escritor, mas Tavares consegue-o de forma sublime principalmente neste volume d' O Bairro. Desde a senhora que para perder peso vai ao médico cortar uma perna, até ao desempregado que para sustentar os filhos se livra também de algumas partes do corpo, esta obra, recheada de algum humor negro mas também de muito material para dar que pensar, concedeu-me uma série de horas muito boas.
  • 9º: Contos da Chuva e da Lua - Ueda Akinari. Este livro de contos japonês, escrito no século XVIII, é uma pérola. No meu total desconhecimento pela literatura clássica, ainda para mais literatura clássica oriental, dei por mim a devorar estas páginas, cheias de magia e terror. Toda a atmosfera criada, e a imaginação fértil das situações, adornada por uma linguagem poética e tão característica, emocionou-me e transportou-me para cenários de beleza rara. Muito boa leitura.
  • 8º: Adeus, Tsugumi - Banana Yoshimoto. De todos os livros que habitam esta escolha das minhas dez melhores leituras, este é aquele ao qual se pode aplicar melhor a famosa frase «primeiro estranha-se, depois entranha-se». O estilo de Yoshimoto é estranho e pouco firme, mas neste romance conseguiu criar um quadro de ambientes e paisagens sublime. Há o lado mais emocional, sempre presente, e em constante transposição com a praia e os aromas do último verão. É difícil chegar-se ao fim e não se sentir uma espécie de vazio (positivo).
  • 7º: About a Boy - Nick Hornby. Este livro é a prova de que um livro pode ser um amigo. Nos momentos mais complicados da nossa vida, o livro que estamos a ler nesse momento pode sofrer com a atenção que não lhe damos. Mas também pode ser uma das âncoras que mais nos puxam para cima. Por me ter feito rir tanto, e por ter sido uma leitura chave para um momento complicado e cansativo, um escape à realidade durante umas semanas em que andei também eu num mundo à parte, a leitura ficou-me verdadeiramente marcada.
  • 6º: Sunset Park - Paul Auster. Ainda não tinha lido nenhum livro deste autor, embora a curiosidade não fosse pouca. Não me desiludiu nada. A obra entrelaça a vida de uma série de personagens algo diferentes entre si, e carrega um peso melancólico tipicamente urbano digno de respeito. A narração é sóbria e cativante, e faz parte daquele conjunto de obras que nos fazem subir a inspiração ao topo. Vale a pena descobrir esta Nova Iorque de Paul Auster.
  • 5º: 1Q84 (Livro 1) - Haruki Murakami. A primeira parte desta longa aventura pelo universo de Murakami, o seu mais recente trabalho, tem tudo o que de bom o autor nos tem vindo a oferecer nos seus livros. Conversas absolutamente banais, divagações que frequentemente se repetem, personagens normalíssimas com direito ao seu lado mais excêntrico, e uma narrativa que tem tudo para se tornar numa das mais envolventes que já li. Vamos ver como prossegue a história nos próximos volumes, mas só a leitura deste já teria sido suficiente para mim - excelente.
  • 4º: O Punhal do Soberano / A Corte dos Traidores - Robin Hobb. Estes dois livros, que na sua versão original formam apenas um, são a confirmação de que Robin Hobb é mestra na arte da fantasia. Embora algo lentos, essa extensão de tempo nos livros permite-nos estabelecer vínculos com os locais e com as personagens. Estou em pulgas para ler o terceiro e último volume desta trilogia, que prima por tantos atributos que é difícil enumerá-los nesta breve opinião. Viva a boa literatura fantástica!
  • 3º: Norwegian Wood - Haruki Murakami. É uma das obras de Murakami que representou um dos maiores fenómenos de venda no Japão, com 4 milhões de exemplares. O autor considerava este livro uma experiência num estilo à parte, que não tencionava voltar a repetir. É verdade que talvez se encontre aqui um lado mais romântico e juvenil da escrita de Murakami, mas foi uma leitura melodramática poderosa, com momentos de beleza íntima muito particulares. Memorável.
  • 2º: Uma Viagem à Índia - Gonçalo M. Tavares. Uma epopeia contemporânea que reúne, ao longos das suas páginas, inúmeros temas e reflexões que se podem fazer sobre a sociedade e o indivíduo. É difícil ter-se a noção da quantidade de questões que são abordadas ao longo das centenas de estrofes, mas o sentimento que perdura no leitor depois de terminada a obra é que está perante uma construção sólida, emocionante (à sua maneira, porque a escrita de Tavares não se prende propriamente na emoção), e muito, muito boa. Incrível, mesmo.
  • 1º: Dança, Dança, Dança - Haruki Murakami. Este é o meu modelo de um livro que podia ter facilmente umas 5.000 páginas, e nem por isso me cansaria de o ler. As cenas sucedem-se com uma naturalidade sobrenatural, os diálogos sobre tudo e mais alguma coisa, a vida que se vai desenrolando ao longo de algumas semanas, e o mundo vai dançando as suas danças habituais sem por isso se afastar muito da sua órbitra. Esta foi muito provavelmente a minha obra preferida de Murakami, e, se calhar, o livro que mais gostei de ler na minha vida. Com Murakami, quanto mais simples melhor resulta. E este livro não se aventura para muito longe, vai andando à deriva. Faz-me apetecer entrar por ali dentro e assistir aos acontecimentos, sempre com serenidade. Há magia nestas páginas, é a única solução possível!

Como poderão imaginar, esta lista dos dez que mais gostei não é fixa. Daqui a um ano - ou melhor, daqui a dois meses - eu podia refazê-la completamente, retirar-lhe uns três ou quatro e colocar outros no lugar. À medida que me afasto das leituras no tempo, as memórias ora a prejudicam ora a benefeciam. Os livros perdem e ganham com o tempo.

Passando para as estatísticas propriamente ditas, como é meu hábito: em 2011 li 6750 páginas, num total de 25 livros. O que significa que li uma média de 18 páginas por dia. O maior livro que li tinha 918 páginas, o mais pequeno tinha 60, e a média do tamanho dos livros foi de 270 páginas. A estação do ano em que li mais foi o Inverno (35% das leituras), seguido do Outono, da Primavera e do Verão (21%). Na primeira metade do ano li 56% do total de páginas lidas. A média das notas nas críticas foi de 7,32 (em 10).

Falando de autores: os autores que mais li este ano foram Haruki Murakami e Gonçalo M. Tavares, com 4 livros cada um. Descobri uma série de autores novos: Paul Auster, Ueda Akinari, Banana Yoshimoto, Nick Hornby, Chico Buarque, Pedro Sena-Lino, Luís de Sttau Monteiro, Athol Fugard, Boris Vian e Isabel Ricardo Amaral. Ou seja, quase metade dos livros que li este ano foram de autores que nunca tinha lido. Destaco principalmente Paul Auster e Banana Yoshimoto entre as descobertas.

O ano passado tinha apresentado 4 objectivos para este ano: não consegui ler as 8.000 páginas; mas descobri novos autores, consegui que um terço das leituras fossem de autores de língua portuguesa, e mantive a minha actividade no Lydo e Opinado e no Murakami PT.

Objectivos para 2012: estou confiante em chegar às 10.000 páginas (os transportes vão ajudar este ano!); quero chegar aos 30 livros lidos; um terço dos livros serem de autores de língua portuguesa; descobrir novos autores; manter a minha actividade aqui no blog, espero conseguir!

E é isto. Não comecei o ano com o pé direito em termos de leituras, mas estou com toda a confiança para inverter a tendência destas três primeiras semanas. Venha 2012, venham essas 10.000 páginas que me proponho a ler. E que sejam 10.000 boas páginas.



Tiago

2 comentários:

Bruno disse...

Da tua lista, destaco O Punhal do Soberano. Li-o há mais de um ano e posso dizer que estou a gostar bastante da saga, apesar da acção narrativa desenrolar-se extremamente lenta.
Desde que frequento a faculdade, só me dedico à literatura nos transportes!! No início, custou-me muito, porque não me conseguia concentrar, mas agora... :)
Boas leituras para este ano!!

sombradofogo disse...

Para quem descobriu 1 Fitz mais maduro na nova saga será interessante ler os capitulos anteriores onde conhecemos o seu percurso?? Ainda nos conseguirá surpreender?

Blog Widget by LinkWithin